PARA NÃO SOAR REPETITIVA

Enquanto escrevia outros posts, percebi que algumas situações eram muito semelhantes, independentemente do país. Decidi então, fazer uma “listinha” sobre essas similaridades.

Claro que nada disso é regra, mas também não é exceção.  Eu sou “mala”, e faço tudo certinho. Você pode até discordar e achar muito chato, mas eu bem me lembro da celeuma que o Jamie Oliver causou quando chamou brigadeiro de “crap”.
Antes de falar mal de tanta maionese, pense na tradição e na cultura do país e respeite isso.

. Tudo Fecha Cedo. 

Oslo, Noruega
Cobertores nas cadeiras dos restaurantes: reveja seu conceito sobre o verão nórdico.

Mesmo que você não esteja com fome, pare em algum lugar para jantar ANTES das 19h30. Europa acorda e dorme cedo e a maioria dos restaurantes não vai atender se estiver a 15 minutos do horário de fechar.
Claro que há lugares que ficam abertos “até tarde”, mas esse “tarde” pode ser as 23h, e se você chegar as 22h30, vai ter que pedir take away.
Tenha sempre alguma coisa para comer no hotel. Passe no supermercado e compre frutas, caixinhas de suco – de preferência, tudo que NÃO precise de geladeira.
Acredite em mim: no verão, escurece muito tarde. A gente esquece de comer, as opções do roomservice além de caras são restritas. E o risco de não achar um 7-Eleven aberto é grande.

. Guarda-chuva.
Eu também detesto andar de guarda-chuva, mas deixe um guarda-chuva dentro da mala para nunca esquecer. Do contrário, você vai resistir o máximo que puder como eu fiz nesta viagem. E naquele momento em que você percebe que não há como escapar, vai pagar uma fortuna pelo primeiro guarda-chuva que vir na frente e torcer para chover todos os dias para compensar o prejuízo.

. Sentar-se à mesa de um restaurante sem perguntar antes? Jamais.
Pode até parecer besteira, ainda mais quando você está morrendo de fome, o restaurante está vazio e os garçons correndo de um lado para outro sem dar atenção. Pelo menos, PERGUNTE se pode sentar antes. Do contrário, você corre o risco de ficar chamando garçon que só está ali para levar o prato ou limpar a mesa – e você já deveria ter feito e pago seu pedido há tempos.
Isso é uma das coisas que mais irritam os europeus, não importa se você está numa capital ou cidade do interior. Imagine então os nórdicos, que gostam de fazer tudo direitinho. Em praticamente TODOS os restaurantes nos quais eu pisei há uma placa de “PLEASE, WAIT TO BE SEATED” em inglês, além do idioma local.

. Moedas.
Os países nórdicos fazem parte da União Europeia, mas nem todos utilizam o Euro.
NOK para Coroa Norueguesa, SEK para Coroa Sueca e DKK para Coroa Dinamarquesa.
Finlândia e Estônia trabalham com EUR mesmo.
Nos “países das coroas”, não converta, senão você perde a fome.
Eu uso um aplicativo bem básico para converter moedas, o Smart Coin, disponível para iOS e Android.

. Mapa de Papel.
Sim, PAPEL. Sua consciência pode até doer porque você está destruindo a natureza – mais ainda em países preocupados com o meio ambiente, o que o faz sentir-se duplamente culpado. Mas seu SIM card pode não funcionar muito bem e se você depende do Google Maps ou Citymapper para tudo, vai ficar a ver não somente navios, mas trens, ônibus, etc.

. SIM Card

SIMCards

COMVIQ sueco, Lycamobile an DInamarca e Ohjopal comprado na Finlândia, na minha opinião, o melhor custo-benefício.

Hoje ninguém vive sem Smartphone. Como postar aquela foto “mara” se não tem conexão? Você até pode usar os “pacotes” oferecidos pelas operadoras brasileiras ou depender exclusivamente de wi-fi. Mas na hora do desespero, quando a rua não aparece no mapa de papel, você sente falta.
. Noruega: fico devendo. Eu tinha acabado de carregar o meu SIM da Three UK com uma merreca de GBP 20 e ele funcionou lindamente todos os dias em que fiquei em Oslo. Porém…
. Suécia: bastou pisar em Estocolmo para acabarem os créditos da Three UK. Que NÃO é tão simples para fazer o top up online se você não possui um cartão de crédito COM endereço no Reino Unido, o que era meu caso.
Como eu tinha visto uma loja de celulares na estação de trem, fui até lá e sabe o que me responderam? “Aqui só vendemos o contrato”, que significa comprar um aparelho e linha. Nem era tão caro, mas falou que eu iria deixar meu iPhone 7 de lado para usar um qualquer.
Para isso, existe o 7-ELEVEN, aparentemente, uma paixão escandinava.
Eu comprei um COMVIQ, mas tem Lycamobile também.
O negócio é que operadora de celular é igual em qualquer lugar do mundo, então, fiquem atentos ao que o pacote oferece.
. Finlândia: cheguei lá com o SIM card da COMVIQ sueca para descobrir que eu comprei o local, e não o Europa. Pensei: para tudo existe um 7-Eleven.
Qual não foi minha surpresa quando perguntei para o taxista onde ficava o 7-Eleven e ele me respondeu que não havia nenhum por ali? No dia seguinte, joguei no Foursquare um convenience store e descobri uma tal de R-Kioski, que é a versão finlandesa do 7-Eleven. Lá eu comprei um cartão só para internet da Ohjopal, um finlandês extremamente eficiente que funciona em todos os países nórdicos e bálticos mais alguns da Europa ocidental. O que é bem simples, porque aceita qualquer cartão de crédito. Para cinco dias, ele custa EUR 9.90. Depois você carrega o quanto quer, paga o serviço que quiser e pronto.
. Estônia: eu já mencionei o Ohjopal?
. Dinamarca: sabe aquelas medidas de segurança de cartão de crédito? Vou contar em um post futuro. Sem crédito no Ohjopal – porque na Dinamarca não é possível fazer top up via voucher em loja – comprei um Lycamobile que me daria “free” internet por um período de DEZ horas. Entenderam? DEZ horas apenas. Não serve para muita coisa, a não ser que você use muito o telefone.

. Wifi grátis.
Se a conexão não for escancarada, é só pedir a senha. Tem um ou outro lugar mais chatinho – principalmente na Finlândia e na Dinamarca – mas a maioria já avisa que o login é tal e não precisa de senha antes mesmo de você abrir a boca.

. “Trains, Planes & Automobiles”*.
Encarne o europeu em férias que existe em você e desfile com cara de paisagem com sua(s) mala(s) de rodinhas, fazendo aquele barulho infernal pelas ruas de pedra que estão em seu caminho.
Na Noruega, um taxi do aeroporto até o centro de Oslo pode custar NOK 1.800. Sabe quanto dá isso? De BRL 700 a 800! E o ticket do trem expresso? NOK 180 e eu estava a apenas 15 minutos a pé do meu hotel.
. Oslo-Estocolmo: tomei um voo da Norwegian Airlines. A empresa é uma low cost sem ser tão pé-de-boi quanto easyJet e Ryanair – que aliás, NÃO voam para esses países. Tirando a emoção das manobras “viking-guescas” dos pilotos, achei muito melhor que qualquer voo da ponte aérea Rio-São Paulo. O site é fácil de usar, mas lembre-se que a bagagem DESPACHADA é 20 kg e a de bordo, 8kg e acho que tem que pagar, sim.
. Estocolmo-Helsinki: também voei Norwegian.
. Helsinki-Tallinn: peguei o ferry da Viking Line, mas há mais duas linhas e você pode comparar preços e horários e comprar tickets pelo Direct Ferries. São apenas duas horas, você pode carregar o que quiser de bagagem. O preço varia de acordo com o horário e a classe. Fora de horário de pico em classe standard custa EUR 23.
. Tallinn-Copenhagen: voei SAS/Skandinavian Airlines e a bagagem DESPACHADA era de 23kg. Aguarde historinha sobre aeroporto e voo.
. Copenhagen Kastrup-Malmö: os trens saem do aeroporto e da estação central de Malmö. Na estação de Malmö, se seu hotel ficar próximo a praia, use o ônibus ou taxi – se estiver cheio de bagagem – Mas COMPRE o ticket ou Jojo antes, porque nenhum ônibus em Malmö aceita dinheiro.
Malmö-Copenhagen-Malmö: eu me hospedei em Malmö no sul da Suécia porque é mais barato que em Copenhagen e fiz commute via trem ou ônibus – de 40 mins a uma hora – que cruzam o estreito de Örensund/Ørensund. Ônibus fora de horário de pico é bem mais barato, eu usei o aplicativo Flixbus. 
Se você assistiu a série Sueco-dinamarquesa ou Dano-sueca – aí depende de qual país você mais gosta “The Bridge” –“Brön/Broen” passa no MAIS Globosat – vai se sentir como a Saga Nören ou o Martin Rohde, de tanto cruzar a ponte.
. Copenhagen-Londres: encarei uma British Airways com bagagem despachada de 23 kg.

. “Bilhete Único”.

Access em Estocolmo e Jojo em Malmö, na Suécia e o Oyster londrino.

A maioria desses países oferece cartões para turistas que incorporam transporte, desconto em museus e outros lugares, mas as vezes não vale a pena. Dependendo do número de dias que você vai ficar no país, compensa usar o transporte público normal.
Em Helsinki e Tallinn, eu me virei muito bem a pé e com um ticket para 48h da “Máfia do Ônibus Vermelho” – que é o apelido que eu dei para os ônibus Hop On Hop Off de uma mesma empresa que parece dominar os city-tours europeus.
Em Estocolmo, onde eu fiquei mais tempo, eu comprei um Access Stockholm, que você carrega e pode usar como quiser num prazo de 75 minutos, em Malmö, comprei um Jojo que funciona como o Oyster londrino.
Atenção: UBER É PROIBIDO na Dinamarca. Só é liberado no Aeroporto de Kastrup, mas nem adianta chamar porque nunca chega.

. Free Walking Tours!
Todos os países oferecem city-tours que saem direto do i – Tourist Information Centre ou Center, depende do país.

. Gorjetas
Noruega e Finlândia “não têm o costume” de receber gorjeta. Suécia e Estônia na maioria, trazem um campo tip na conta. Na Dinamarca eu sinceramente não lembro, mas é porque eu sempre deixei gorjeta em todos os países.

. Meninas.
Meninas, eu sei que que salto alto é vida, mas na maioria destas cidades, você simplesmente vai pisar em ruas de pedra. Tênis, sapatilhas e botas estilo coturno. Se você for uma pessoa habilidosa, que não dá bica em qualquer lugar, até rola um chinelinho Doc Martens.
No meu caso, sapatilha já é um risco de vida.

. Sites convenientes – a maioria deles têm aplicativos para smartphone também.
www.goeuro.com – site ”multifuncional”
www.rome2rio.com – site ”multifuncional”
Em tempo: não sou grande fã do Jamie Oliver e claro que eu adoro brigadeiro, mas ele não está errado em dizer que leite condensado, chocolate em pó, mais chocolate não é tranqueira.
* Para quem não sabe, esse é o título original do filme “Antes Só do que Mal Acompanhado”, clássico dos anos 80 com Steve Martin e John Candy.

Sobre Anninha

Além de viciada em cultura pop, ainda resolvi bancar a mochileira depois do 40 - e comer pra caramba, já que é para isso que eu treino Crossfit. Divirtam-se!
Esse post foi publicado em mochilando depois dos 40, Viagens e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para PARA NÃO SOAR REPETITIVA

  1. Danilo Mazzi disse:

    Tenha alguma coisa no hotel, tipo marzipan? Kkk

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s