TRUE or FALSE POST# 2: MIU MIU MATELASSÊ

Enfim, há tempos escrevi este post, TRUE or FALSE POST# 1: LVs PALERMO x TIVOLI, e mesmo com intenção de escrever esporadicamente sobre o tema, a correria do dia-a-dia não me permitiu nem atualizar meus posts mais corriqueiros. Sem falar que inserir as fotos aqui parece que virou uma tarefa árdua; demora para enquadrar do jeito que eu quero.

Buscar uma “réplica” ou falsificação também não é fácil. A internet está cheia, mas os preços são extorsivos e EU ME RECUSO. Me resta buscar fotos ou fotografar na cara-de-pau. Vale até abordar alguma desavisada no elevador e perguntar se eu posso tirar algumas fotos, porque é a bolsa que estou procurando.

Hoje consegui sentar e selecionar as fotos e vou falar da Miu Miu, das bolsas de matelassê cobiçadas da Miuccia Prada.
A  minha opinião sobre falsificações é clara: eu prefiro NÃO ter do que sair carregando um artigo falso, por mais questionável que seja “moralmente”. Na minha moral, o designer, o músico, o escritor, têm direito ao crédito. Pode ser que uma bolsa de griffe seja ridiculamente cara, ainda mais se levarmos em consideração que vivemos no Brasil. E também que as próprias griffes estejam sucumbindo a mão-de-obra barata ao invés do trabalho de artesãos caprichosos, mas não vou me estender a este assunto hoje; qualquer coisa, vejam a página “Bolsas – Papo de Meninas”, neste mesmo blog.
Enfim, há alguns anos, a Miu Miu (“segunda” marca da Prada), estourou com o lançamento das bolsas de matelassê.

Meu novo "sonho de consumo".

Meu novo “sonho de consumo”.

Apesar da Miu Miu ter lançado outras bolsas ma-ra-vi-lho-sas, como esta que é meu atual sonho de consumo, as “matelassadas” são clássicas e continuam um hit, tanto que algumas são parte da “coleção permanente”.
Pois bem: eu consegui arrumar uma Miu Miu “fake” o suficiente para comparar com uma original. E volto a dizer: se você for comprar uma bolsa de segunda-mão, atente aos detalhes.

Logo de falta de alinhamento no acabamento externo e rebarbas (na aba que fecha a bolsa).

Coffer: foi só chegar perto para ver a falta de alinhamento no acabamento externo e rebarbas (na aba que fecha a bolsa).

Eu tentei seguir uma lógica, ao colocar as bolsas lado a lado, mas acabei mesclando as fotos em alguns pontos. De qualquer forma, a bolsa da esquerda é a original, cor de chumbo e a da direita, a falsa, num cinza mais claro; não me perguntem como nem quem me deixou fotografar a bolsa.
As fotos com legendas estão meio bagunçadas por pura falta de conhecimento tecnológico da minha parte.

Eu já pensei em vendê-la mais de uma vez e não porque eu enjoei, mas porque a diferença entre a original e a falsa já começa NO PESO. A original é um chumbo – nesta, tanto a cor como o couro. Aliás, a minha é esta cor de chumbo, e os metais estão sim com marcas de uso. Mas o couro continua firme e forte.

DSC01996

Pintada?

Brilho do couro: a falsa parece "pintada".

Brilho do couro da original.

Vou falar a verdade: num primeiro olhar essa falsificação passaria batida, porque se você está carregando uma bolsa cheia de tranqueiras dentro e o formato meio que se acomoda. Mas quando você olha mais de perto…
Eu nem me lembro se a minha Miu Miu matelassê tem um nome e fiquei com preguiça de procurar a fatura do cartão.
Como eu já mencionei, cinza clara é uma Coffer fake, e só de bater o olho, já dá para ver como o acabamento é diferente. O brilho do couro, que na original parece um “verniz discreto” já grita. A falsa também parece “amassada”, tem marcas de dobra.

Fecho design clássico da Miu Miu

Fecho design clássico da Miu Miu

Fecho da Coffer fake, torto e colado.

Fecho da Coffer fake, torto e colado.

Marcas de uso no couro, no fecho pesado.

Marcas de uso no couro, no fecho pesado.

Metal "racha"?

Metal “racha”?

Coffer falsa é “torta”, podem reparar que o fecho não está centralizado, e eu deixei a bolsa bem reta para fotografar. Já na chumbo, o fecho está bem centralizado e é pesado, a metal dos dois lados da bolsa. A “cor” dos metais também é um alerta: apesar da minha bolsa estar “gasta” e com arranhõezinhos, o metal é brilhante. A da Coffer falsa parece meio “fosco”. E essa “rachadura”? Metais “moles” tendem a rachar, sim, mas esse aí parece plástico, mesmo.

Uma coisa que pode passar desapercebida é o gancho da alça de ombro. Eles são iguais, e eu quase os virei do avesso, se isso fosse possível. Mas aí, é só prestar atenção no acabamento da alça, como os pinos e as costuras.

Acabamento diferente.

Acabamento diferente.

DSC01957

Gancho.

DSC01984

Fixação do parafuso e passante.

Parece MUITO com o original, somente um pouco mais fosco.

Parece MUITO com o original, somente um pouco mais fosco.

Acabamentos interno e externo que deixam a desejar, não somente pelos metais, zíperes, mas a costura mal feita. Nenhuma bolsa de qualidade, MESMO QUE NÃO SEJA de griffe, traz um remendo destes. Eu tenho ótimas bolsas sem marca que têm um acabamento impecável.

Original.

Original, costura impecável.

Remendo no meio da bolsa.

Preste sempre atenção aos  detalhes do acabamento interno e externo, como os zíperes, pinos e arremates. Neste post, eu limitei as fotos. Vai que alguém resolva utilizar a informação para melhorar a qualidade da falseta… minha intenção NÃO É estimular esse tipo de coisa.

... não deu para discutir.

… não deu para discutir.

Com esse item...

Com esse item…

Em todo caso vejam os logos internos nas próximas fotos. O logo acho que é o detalhe mais “enganatório” da bolsa – claro, não fosse o fosco do metal. Os puxadores, já não enganam: na original, ele tem formato de estribo, é mais grosso e longo; na fina, é um ganchinho meia lua clássico de qualquer bolsa. Acho que com estas dicas, dá para evitar levar Miau Miau por Miu Miu.

 

Sobre Anninha

Além de viciada em cultura pop, ainda resolvi bancar a mochileira depois do 40 - e comer pra caramba, já que é para isso que eu treino Crossfit. Divirtam-se!
Esse post foi publicado em Cultura Pop e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para TRUE or FALSE POST# 2: MIU MIU MATELASSÊ

  1. Amanda disse:

    Tenho um óculos miu miu noir (redondo) gostaria de saber qual as diferenças entre o original e a réplica. Obrigada

    Curtir

  2. vera disse:

    Tenho uma vuitton elipse e gostaria de saber qual o ano foi fabricada, pois me falaram que o n° de série que consta nela não está certo LF0560 foi adquirida no Japão em 2008.
    Obrigado !

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s